Criança e Saúde

Criança e Saúde
Conheça o novo site!

quarta-feira, 20 de março de 2013

Luxação congênita do quadril não tratada. Uma triste realidade.





Apesar de todos os esforços na divulgação dos métodos de diagnóstico precoce que permitam o tratamento adequado desta patologia, ainda nos deparamos com situações de crianças, já na fase de marcha e ainda com seus quadris sem tratamento.

Os motivos pelos quais isso ainda ocorre no Brasil, são diversos e vão desde a ineficiência da saúde pública em oferecer centros com profisisonais capacitados para o tratamento da luxação congênita do quadril, dificuldade de acesso da população ao sistema público de saúde e, até mesmo, negligência e abadono da criança pelos próprios cuidadores. Uma triste realidade social da nossa população.




O diagnóstico tardio desta patologia implica em maior complexidade para o tratamento, com maiores riscos e tempo prolongado de imobilização para a correção do quadril.

Quando falamos de crianças já caminhando com seus quadris deslocados, estamos nos referindo a marcha extremamente ineficiente, mancando grosseiramente e com importante limitação nos movimentos do quadril luxado.




Estamos falando também de correção cirúrgica de grande porte para uma criança, com possibilidade de maiores perdas sanguíneas, acesso cirúrgicos amplos, muitas vezes, necessitando de cirurgias ósseas associadas para a obtenção do resultado esperado.

Os custos para o tratamento são altos, tempo de internação prolongado e a ocupação de leito hospitalar longa.

Tudo isso aumenta a morbidade do procedimento e os riscos de complicações também.




O objetivo do tratamento é posicionar a cabeça femoral no seu local anatômico, conhecido como acetábulo.

É preciso que, uma vez posicionado adequadamente, fique estável e sem a possibilidade de sair novamente da sua posição.

Além disso, o quadril precisa preservar sua mobilidade e as estrutuas ósseas precisam ter desenvolvimento adequado que garanta a sobrevida articular em longo prazo.

A marcha precisa ser melhorada e os quadris não apresentarem dor.


O período pós-operatório:




É feito com aparelho gessado imobilizando toda a região operada, ou seja, vai desde a região acima do quadril até o pé, conhecido com gesso pelvepodálico.

Tem uma abertura no períneo que permita evacuação e micção.

As pernas são imobilizadas e mantidas afastadas através de uma barra unindo o gesso.

É fundamental o entendimento por parte dos cuidadores com a manutenção da higiene do períneo, as trocas de fraldas a intervalos regulares que impeçam a contaminação das feridas operatórias além de manter a integridade do gesso, durante todo o período do tratamento.




Comunicação frequente entre os cuidadores e a equipe cirúrgica responsável também é fundamental para a boa evolução.

Acompanhamento de perto, com consultas regulares para inspeção do gesso, feridas operatórias e exames de imagem analisando a manutençao da correção articular.


A segunda etapa pós-operatória:

Após o período inicial com o gesso pelvepodálico, a criança precisa ser examinada sob anestesia e no centro cirúrgico, para que sejam feitos exames radiológicos confirmando a manutenção da posição articular e a troca do gesso que, passa a ser em dupla abdução, ou seja, só imobiliza as pernas (da coxa até os pés), mantendo a barra de união entre os gessos mas, permitindo a criança os movimentos de sentar e deitar (flexão e extensão), sem o risco do quadril perder a posição.


As possíveis complicações :


Devem ser reconhecidas e tratadas imediatamente:

- Infecção da ferida operatória deve ser drenado no centro cirúrgico e terapia antibiótica endovenosa instituida;

- Perda da posição do quadril deve ser tratado com manipulação e troca do aparelho gessado ou até mesmo nova cirurgia se for necessário;

- Necrose da cabeça do femur é um problema desafiador, de difícil solução e que, geralmente, cursa com encurtamento do membro inferior, rigidez articular e dor;

- Displasia do acetábulo, ou seja, a incapacidade do osso que cobre a cabeça femoral em desenvolver-se adequadamente é um problema que exige cirurgia complementar pois, a persistência levará a artrose do quadril.


Conclusões:




Luxação congênita do quadril deve ser diagnosticada na criança recém-nascida.




O tratamento precoce é simples, com baixa morbidade e com ótimos resultados.




Tratamento tardio é desafiador, com cirurgias de grande porte e internação prolongada, uso de aparelho gessado por longo período e maiores riscos de complicações.



Um abraço a todos,

Dr. Mauricio Rangel

Tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239.
E-mail: dr.mauriciorangel@yahoo.com.br





71 comentários:

  1. Olá, meu nome é Bianca tenho 20 anos... fui acometida por tal doença... fiz a cirurgia quando criança e me recuperei de forma satisfatória, hoje em dia estou acima do peso e sinto dores leves no quadril... o excesso de peso pode ser influenciador dessas dores? Quando fico mais leve não sinto nada, inclusive uso salto alto e exerxícios físicos. email: bdscaetano@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, seu quadril precisa ser avaliado quando a presença de displasia residual, ou seja, alterações na anatomia do quadril como: Desenvolvimento parcial do acetábulo, deformidade da cabeça femoral, perda pacial da relação articular da cabeça femoral com o acetábulo, presença de osteoartrose precoce e impacto femoro-acetabular. Só com consulta ortopédica você poderá saber a origem das dores. Sugiro que marque consulta médica, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  2. olá dr. minha pequena tem apenas 2 meses e nasceu com lcq estamos fazendo o tratamento mas percebo uma peninha com diferença de tamanho uma da outra no rx o osso da canela dela tem uma pquena diferença de +- 1/2 cm ela pode ficar mancado mesmo q ocorra tudo bem com o tratamento do quadril dela?ficarei grata se me responder estou muiot aflita obrigada

    ResponderExcluir
  3. meu email ronaldoealexandra@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, sua descrição nao permite fazer qualquer comentário a respeito. Precisaria examinar a criança e avaliar os exames de imagem para responder sua pergunta. Maiores esclarecimentos, marque consulta, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  4. posso operguntar
    meu bebe nasceu com displasia congenita de quadril e ja comecei na segunda semana com o aparelho de pavilik quais sao as chances de ela se recuperar
    tenho muitos medos pois andei de moto na segundo semestre da gestação isto pode ter influenciado no quadro
    por favor me ajude
    obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, andar de moto na gestação não tem nenhuma relação com displasia do quadril do recém nascido. As chances de bom resultado dependem do tipo de displasia encontrada, ou seja, luxação típica do quadril, subluxação, quadril instável (luxavel) ou quadril displasico isoladamente. Maiores esclarecimentos, marque consulta ortopédica, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  5. Olá Dr. tenho 22 anos e fui diagnosticada com LCQ quando ainda era bebê, não precisei de cirurgia, o tratamento foi feito apenas com o gesso, faço tratamento na Santa Casa de São Paulo até hj, vou lá de 2 em 2 anos, porém este ano eu não tenho consulta, apenas para o ano que vem, e tenho sentido muitas dores no quadril. Todas as vezes que fui lá, quando os médicos me examinam, ninguém acredita que já tive essa doença, pois dizem que meus quadris são normais! Porém ando preocupada com essa dorzinha chata, e gostaria de saber se isso tem a ver com a doença, ou se é apenas mais uma dor! Estou bem acima do peso e acredito que tenha a ver com isso. Mais minha maior preocupação é: Se por acaso eu estiver com a lcq de novo, como é feito o tratamento em um adulto? é normal a pessoa fazer o tratamento quando criança, e depois de 22 anos sem nenhum problema ela possa voltar a ter o quadril deslocado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, a causa para sua dor precisa ser avaliada com exame físico e de imagem. Algumas possibilidades podem ocorrer em quem teve passado de luxação congênita do quadril sendo as principais: Displasia acetabular residual, osteoartrose precoce, impacto femoroacetabular, Coxa magna, Coxa brevis, Hipercrescimento do trocanter. Cada causa tem um tratamento específico que fica impossível escrever aqui. Sugiro que antecipe sua consulta para saber o que esta acontecendo. Maiores esclarecimentos marque consulta, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
    2. Obrigada Dr. mais o problema é que estou em São Paulo, e pelo visto o Sr. está no Rio,
      vou marcar uma consulta com meu médico mesmo!
      Obrigada pela resposta!

      Excluir
  6. Olá Dr. tenho 27 anos e tenho Lcq nos dois lados do quadril fiz cirurgia quando criança, o que melhorou mas não curou definitivo, sentia dores no lado direito mas só quando fazia muito esforço como caminhar muito, depois que tive minha filha, comecei a sentir dor direto no lado direito, e de 1 ano para cá até para sentar é difícil, já procurei vários médicos que dizem ser assim mesmo e que para resolver só com a prótese, mas que não é aconselhável por agora só daqui há alguns anos, não sei o que fazer fico triste pois até antes de ter minha filha eu andava normal, sentava normal só sentia dor se andasse muito, e agora para sentar ou ir ao banheiro tenho que encaixar a perna se não, sento toda torta, sinto dor para andar e ando mancando assim meio de lado, parece que está fora do lugar o osso, mas os médicos não confirmaram isso com os raios-X, o que faço será que exercícios para fortalecer resolvem? só queria que fosse como antes de ter minha filha, o parto foi casaria mas acho que a posição que colocaram minhas pernas na hora do parto podem ter prejudicado a articulação, me ajude por favor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, a história natural dos quadris luxados ou subluxados inveterados é para dor na vida adulta jovem como no seu caso. Dependendo do aspecto radiológico da articulação dolorosa, existem cirurgias reconstrutivas, que permitem alívio dos sintomas e preservação da sua articulação por mais tempo, para postergar a indicação de uma protese. Maiores esclarecimentos marque consulta ortopédica, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  7. boa tarde Dr.meu nome é Suelen,tive luxação congênita no quadril logo que nasci,e fiz cirurgia nas 2 pernas e continuei o tratamento até completar 15 anos.Estou gravida e minha dúvida é se posso ou não fazer parto normal.Minha mãe teve 3 filhos,e os 3 foram cezarea devido a luxação.Ela me diz que não posso fazer o parto normal,que o osso pode descolar do quadril.Posso ou não fazer parto normal?Aguardo,obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, depende do diâmetro atual da pelve após os procedimentos para o tratamento da luxação congênita do quadril. A resposta só pode ser dada após avaliação da imagens da pelve. Maiores esclarecimentos marque consulta, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239.Um abraço.

      Excluir
  8. Boa tarde Dr Mauricio, me chamo Aline, tenho 30 anos e tenho lcq, fiz cirurgia com 1 ano e meio de idade e vida normal até agora com dores somente quando me esforço muito, mas tenho displasia bilateral e deformação na cabeça do femur, serei candidata a uma futura artroplastia?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, se a displasia do quadril nao for tratada, você será candidata a artroplastia. Maiores esclarecimentos marque consulta ortopédica, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  9. Bom dia, tenho 39 anos, ´moro em Santos , litoral de SP. infelizmente tenho luxação congênita no quadril esquerdo, na qual nunca fui tratada, na verdade só fui descobrir o problema na gestação do meu 1° filho, pois sentia muita dor ao caminhar e sempre mancava. Hoje tenho muita dor, e vivo controlando meu peso para não engordar, pois a dor piora muito quando estou acima do peso, fiz um exame que constatou artrose, tomei condroflex uns meses , mas o médico disse que não poderia tomar sempre, hoje não tomo remédio nenhum. Estou sem saber como agir, sem saber se busco outros médicos para dar outra opinião de continuidade no remédio, se busco a cirurgia, ou se espero até a dor ficar insuportável. Tambem tenho dúvidas em relação a que execícios fazer, me indicaram apenas exercícios aquáticos, gostaria se fazer outros exercícios, mas tenho medo que prejudiquem ainda mais meu problema. Peço orientação...me ajude, to muito perdida. Agradeço desde ja se puder me ajudar, me orientar!

    Andreia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, só posso fazer orientações sobre o caso se souber como está o seu exame físico articular e o aspecto da radiografia. Vc precisa de consulta ortopédica. Caso venha ao RJ, o tel. para agendamento é (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  10. Sou militar reformado do exército brasileiro. Fui atleta, sou das Forças Especiais do Exército Brasileiro, onde tenho curso para atuar por ar, mar e terra. No entanto em 2011, senti dores no quadril; fiz um RX e fui diagnosticado com achatamento da cabeça do fêmur. Dois anos depois, após as dores evoluirem, o diagnóstico atual é displasia coxo-femural. Há algum tratamento para eu voltar ao normal. Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, displasia do quadril é uma patologia que exige tratamento cirúrgico. O tipo de cirurgia e o momento para a realização dependem da idade do paciente, do exame fisico articular com avaliação da mobilidade passiva e ativa do quadril e da avaliação de imagem do quadril. Maiores esclarecimentos somente em consulta médica, tel. para agendamento (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  11. Boa noite Dr.
    Meu irmão tem essa luxação congênita desde sua infância e hoje ele está com 30 anos e ja não aguenta mais de dores. Levamos ao pronto atendimento e assustamos com o resultado do Raio X, e por muito tempo ele escondia a dor para não nos preocupar, porem a gravidade da dor atualmente ele ja não consegue esconder mais. Como não temos convenio médico para agendamento com o especialista, estamos recorrendo ao SUS atraves de amigos por que na fila normal ele so seria atendido no ano que vem, para melhor entendermos como pode ser feito uma intervenção cirúrgica e também buscar mais opiniões a respeito dessa patologia. Gostaria de saber uma opinião qual o caminho podemos seguir e encontrar a melhor solução para o tratamento dele? fico no aguardo e agradeço desde já.
    Willer Saulo Alves, 21 6911 5214 - 21 7729 0170 - 21 3596 2650 - willer.saulo@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, como possa dar opinião sem examinar o paciente? Sugiro que marque consulta para exame físico, analise dos exames de imagem e, com esses dados poderei emitir meu parecer ortopédico para o caso. Tel. para agendamento de horário, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  12. Doutor bom dia.
    tenho uma filha com 3 meses de idade e com 10 dias de vida foi diagnosticada dom displasia do quadril grau 4,procurei o ortopedista que achou necessário o gesso,foi marcado a data no centro cirúrgico mas infelizmente não conseguiram colocar as articulações no lugar e se forçassem mais poderiam quebrar.
    ele mim disse que o caso dela é displasia teratológica que só daqui 1 ano poderá tentar uma cirurgia e talvez nem a faça podendo nós respeitar esta condição dela.
    o doutor que trata dela é bom mas eu gostaria de saber se realmente é conforme ele ta dizendo que dependendo dos exames daqui um ano corre o risco dela não fazer a cirurgia e caso não a faça o senhor saberia mim dizer pelo menos por alto se essa luxação do quadril teratológica tem como reverter de algum modo com cirurgia ou se ficar sem fazer tendo ela os dois lados da perna com mesmo grau como sera a vida dela convivendo com essa doença.
    obrigado e mim aconselhe por favor.
    abraço
    att:Antonio

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, a luxação teratológica do quadril bilateral pode ser tratada com cirurgia para redução dos quadris ou cirurgia apenas para realinhamento dos quadris. O que determina o tipo de cirurgia a ser realizado vem a ser a síndrome da criança, ou seja, qual o diagnóstico etiológico e como esta o exame fisico dos membros inferiores como um todo. Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica, tel. para agendamento é (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  13. ola meu nome é Taciane com um ano de fui diagnosticada com tal doença nos dois lados, mais não havia aparelhos para essa correção na época, ate meus pais conhecerem o hospital das clinicas em Curitiba ao meus 5 pra 6 anos la fui muito bem tratada,Dr Luiz Eduardo Munhoz da Rocha um excelente medico fizemos 4 cirurgias. Og com 19 anos tenho uma vida normal ando, corro, pulo faço tudo praticamente. Mais tenho muito medo de engravidar e vir a aparecer complicações e gostaria de saber se meu filho terá chance de ter mesmo problema q eu.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, sempre há essa possibilidade. Um abraço.

      Excluir
  14. Olá doutor, tudo bem? Meu nome é Regina Célia . Minha filha Karolina está com 3 anos e 5 meses, e ela possui luxação congênita no quadril , sua cirurgia foi marcada para o dia 09 desse mês ás 7:30 da manhã; No hospital escola em Taubaté, e estou com muitas dúvidas!! No momento, gostaria de saber quantas horas de duração que levará a cirurgia, também quanto tempo de internação e por ultimo, saber se a fisioterapia poderá ser realizada em minha cidade Ilhabela-sp ou os aparelhos tem de serem sofisticados?? Desde já agradeço sua atenção. Muito Obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, essas perguntas devem ser respondidas pelo cirurgião da sua filha. Como posso responder se, não examinei a criança, não vi exame de imagem do quadril, não sei que tipo de cirurgia que foi programada e qual o material que será utilizado na cirurgia? Portanto, sugiro que você esclareça suas dúvidas com o médico que vai operar sua filha, antes que a cirurgia ocorra e você fique sem saber nada a respeito. Cirurgia do quadril em criança é coisa séria! Um abraço.

      Excluir
  15. Boa noite Dr Mauricio estou em busca informações sobre a cirurgia de Displasia Congênita Quadril, minha filha esta diagnosticada com este problema ela esta com 6 anos, e todos os Pediatras que a levamos dão o mesmo diagnostico, procedimento cirúrgico, gostaria de informações sobre o procedimento, o pós operatório, tempo de recuperação, etc. Desde já agradeço a todos que puderem me ajudar com as informações.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, esse assunto só pode ser comentado em consulta ortopédica, apos exame físico da criança e avaliação do exame de imagem do quadril para saber qual a cirurgia indicada. Dependendo do tipo de cirurgia, podemos fazer a programação quanto ao pós-operatório. Por isso, sugiro que marque consulta ortopédica para maiores esclarecimentos, tel. para agendar horário, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Um abraço.

      Excluir
  16. Dr. Maurício, meu menino com 10 anos fraturou o fêmur esquerdo, depois de meses o fêmur ficou maior do direito 3,16cm o quadril sem comentário torto com corpo caído para o lado. Me responda Dr.Maurício temos chance de resolver o problema do menino? Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, sim, a criança precisará de procedimento chamado de epifisiodese, em idade adequada, para igualar o comprimento dos membros inferiores. Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica, tel. para marcar horário, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  17. FUI OPERADA DE LUXAÇÃO CONGENITA DO GUADRIL ESQUERDO MAS NÃO SEI EXATAMENTE QUANTOS ANOS EU TINHA EU ACHO QUE FOI ENTRE 6 /OU 7 ANOS MAS TAMBEM TEM A POSSIBILIDADE DE TER SIDO COM 8 ANOS/ FIQUEI SEM DOR MAS COM ALGUMAS SEQUELAS MINHA PERNA ESQUERDA FICOU COM 5 CM DE DIFERENÇA DA OUTRA USO UM SALTO NO MEU CALÇADO MAS HOJE COM 48 ANOS NÃO AGUENTO FAZER MAS NADA NÃO POSSO FICAR NEM MUITO TEMPO SENTADA NEM EM PE PRA NÃO TER DOR TENHO QUE FICAR A MAIOR PARTE DO TEMPO DEITADA MAS A MINHA DOR É NO FIM DA COLUNA É UMA DOR TERRIVEL FUI EM VARIOS ORTOPEDISTA E ELES FALARÃO QUE NÃO TEM O QUE FAZER QUE É DAI PRA PIOR SETOU TENTANDO APOSENTADORIA MAS NÃO CONSIGO MEU PROCESSO ESTA A 2 ANOS EM SP POIS PERDI NA MINHA CIDADE E MEU ADVOCADO RECORREU A 2 ESTANCIA MAS A MINHA DOR AUMENTA CADA DIA MAIS JA ESTOU TOMANDO 2 TRAMADOR POR DIA TENHO VARIOS EXAMES E ATESTADO CONPROVANDO AGRAVAMENTO NÃO SEI MAS EM QUÃO ORTOPEDISTA IR MAS MORO NO INTERIOR DE SP NA CIDADE DE VOTUPORANGA E FUI OPERADA NO HOSPITAL DE BASE EM SÃO JOSE DO RIO PRETO SP MAS OS MEDICOS DA EPOCA NÃO TRABALHA MAIS LA ESTOU CONTANDO/ GOSTARIA DE SABER SUA OPINIÃO/

    ResponderExcluir
  18. Boa noite, só posso emitir alguma opinião a respeito do seu caso através de uma consulta ortopédica com exame físico do seu quadril e analise dos exames de imagem. Sugiro que marque consulta, tel. para agendamento de horário (21) 3264-2232/ (21) 3263-2239. Atenciosamente.

    ResponderExcluir
  19. Bom dia, Dr. Maurício!!
    Meu nome é Nadia, sou terapeuta ocupacional e trabalho (fico locada) numa escola especial. Trabalho com inclusão escolar. Aqui não faço atendimento clínico.
    Há uma aluna com diagnóstico de Encefalopatia Crônica Evolutiva (Síndrome de Leigh). Em sua agenda a mãe relatou que está com o "quadril fora do lugar" acredito que é luxação.
    Quais as orientações para o técnico de enfermagem para a troca de fralda? O diretor questionou a necessidade de afastamento da escola, seria necessário?
    Aguardo o retorno.
    Grata!!
    Att,
    Nadia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, só tenho como te responder após analisar a criança em consulta ortopédica com exame fisico articular e avaliação dos exames de imagem. Sugiro que marque horário no consultório. Tel. para agendamento de consulta é (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
    2. Infelizmente não será possível, estamos em São Paulo.
      Agradeço!!!
      Orientarei a mãe para passar em consulta e trazer as orientações por escrito.
      abraço

      Excluir
  20. Nasci com luxação de quadril e com 7 dias de nascida fiz a cirurgia e fiquei engessada desde então até os meus 2 anos de idade, depois retirei o gesso e fiquei em acompanhamento, a cabeça do femur que não existia, nasceu durante esses 2 anos, mas menor do que a outra 3 centimetros. Hoje tenho 22 anos e estou gravida de 9 meses, gostaria de saber se meu bebe pode nascer assim, e se o fato do meu quadril ficar torto por conta da diferença, pode atrapalhar um parto normal?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, história familiar materna é um fator de risco para displasia do desenvolvimento do quadril do recém nascido. Com relação ao parto normal, depende do formato da sua pelve atualmente. Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica. Tel. para agendamento de horário (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  21. Bom dia Dr. tenho 26 anos e nasci com luxação do quadril E. Tive uma filha que aparentemente era normal, porem quando ela começou a andar percebemos que dava um "mancado" e então resolvi fazer um raio X e descobri que ela esta com o mesmo problema, hoje ela esta com 2 anos e 4 meses, já vou leva-la no ortopedista, mas a dúvida é, será que tem que fazer cirurgia ou com o gesso ainda resolve? E será um problema genético? Se eu tiver mais filhos tem grandes chances de nascer com o problema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, o tratamento é cirurgico. História familiar é fator de risco. Sempre existe possibilidade de outros filhos terem o mesmo problema.Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica, tel. para agendar horário (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  22. O diagnóstico precoce é fundamental mesmo. Eu fui diagnosticada apenas com 18 anos, quando já estava com artrose. Hoje com 24 anos, tenho artrose severa ao lado esquerdo. Fiz uma Tripla Osteotomia de Steel ao lado direito e terei que fazer uma Osteotomia de Suporte Pélvico com Alongamento do Fêmur do lado esquerdo. É essencial que os pais prestem atenção em seus filhos. Os sinais que tive foram: dores nos joelhos, quedas constantes, marcha cambaleante. Infelizmente os Médicos de minha cidade nunca conseguiram diagnosticar, pois achavam que o problema era no joelho. Hoje sofro as consequências da negligência!
    Minha filha nasceu também com Displasia, mas com o uso do Pavlik e do Atlanta conseguimos reverter.
    Ótimo artigo, parabéns!
    Segue página que criei para contar algumas coisas da minha história, bem como compartilhar informações acerca do problema: https://www.facebook.com/displasiadoquadril?ref=hl

    ResponderExcluir
  23. Boa Tarde Drº, nasci com Luxação congênita de QE, e comecei a fazer tratamento com 10 anos de idade, realizei algumas cirurgias para correção, alongamento, coloquei prótese de quadril e depois de todo o processo que demorou uns 7 meses, o Drº que me acompanhou na época, me disse que as demais cirurgias poderiam ser feitas depois da fase de crescimento, hoje tenho 25 anos e continuo com a mesma prótese, tenho ainda uma diferença de 4 centímetros de comprimento de uma perna da outra. Gostaria de saber se pode ser corrigidos esses centímetros através de cirurgias e se terei algumas complicações com o tempo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, este assunto exige uma consulta medica ortopédica com exame físico do seu quadril e dos membros inferiores bem como analise dos seus exames de imagem. Sugiro que marque consulta, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  24. Email> josyflor_erass@hotmail.com

    ResponderExcluir
  25. Olá Dr Maurício, gostaria de saber se uma pessoa co Luxação congênita do Quadril, com diferença de 2,5 cm de ma perna para a outra, pode ser considerada deficiènte fisica? Tenho o problema diagnosticado desde o nascimento. aguardo resposta Email asp175@gkobo.com

    ResponderExcluir
  26. Olá! Dr. Maurício, minha filha tem 2 anos e meio e desde que nasceu faz tratamento do quadril, pois nasceu com Luxação congênita. Já saiu do hospital usando o suspensório de Pavlick ajudou muito mais só o lado esquerdo, consegui tratamento no Hospital da Clinicas onde ela já fez 3 cirurgias para tentar resolver o problema na 1º vez foi feita uma redução incruenta com um pequeno corte e engessada as pernas, na 2º vez foi um pouco maior o corte e engessada as duas pernas porém nos raios X e nas recionancias que ela fez os médicos perceberam que o acetábulo dela é mau formado por isso as tentativas de colocar no lugar estavam falhando agora na 3º vez foi feita uma cirurgia maior mexeram no osso da perna e amararam (grosseiramente falando pois não intendo direito do assunto me desculpe). Já faz 2 meses que ela esta com o gesso falta mais um mês para tirar, e só agora a equipe medica detectou que ela tem Espinha Bífida Oculta as duas tem relação uma com a outra? E tenho uma duvida estou gravida (pela segunda vez) de 8 meses é verdade que meu bebe pode nascer com o mesmo problema?
    Atenciosamente Viviane Montessi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, nao há relação entre espinha bífida oculta e displasia do desenvolvimento do quadril. Os fatores de risco para displasia dos quadris são: história familiar positiva, criança do sexo feminino e apresentação pélvica. Maiores esclarecimentos somente em consulta, tel. para agendar horário, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  27. Oi Sou a Viviane Montessi Dr Maurício gostaria que me responde-se por e-mail. ( vivis.vmb@gmail.com)
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
  28. Ola Dr .tenho luxacao congênita bilateral de quadril ,só descubrir q tenho. esse problema cm18 anos , depois q tive uma filha por parto normal.hoje tenho 24anos e sinto muita dor ao andar sinto rangir estrala. demais ,não consigo andar por. muito tempo até minha costa sinto dor ao andar . nesta idade 24anos poderar ave cirurgia .obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, existem algumas possibilidades operatórias na dependência do aspecto radiografico atual, da mobilidade articular, evidenciado no exame fisico ortopédico e da intensidade dos sintomas. Sugiro que agende uma consulta ortopédica para avaliação do caso. Tel. para agendar horário (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  29. OLA DOUTOR MINHA FILHA TEM 7 MESES E FIZ UM RAIO X O QUAL DIZ ASSIM LUXAÇAÕ SUJESTIVA DO QUADRIL BILATERAL OQ SIGNIFICA

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, para responder sua pergunta preciso avalar o exame de imagem e fazer o exame fisico da criança para definir o diagnóstico e indicar o tratamento. Tel. para agendar horário no consultório é (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  30. Boa dia, boa tarde, boa noite, sempre!!! Há 11 anos atrás o Senhor operou meu filho no hospital INTO. Ele tinha 1 ano de idade. A operação foi muito bem sucedida, meu filho não tem sequelas (apesar de ainda fazer acompanhamento no hospital anualmente), não precisou até o momento de outro procedimento. Enfim, vida normal e "perfeito", pois somente a cicatriz e uma leve diferença de altura do osso do quadril são percebidos. Serei eternamente grata ao senhor, pelo carinho e atenção com a qual tratou meu filho. Sua competência e de sua equipe permitiram que meu filho tenha uma vida normal. Sinto por sua saída do hospital, pois sempre tratou todos com respeito dignidade, atenção e carinho!! Que Deus lhe abençoe e conceda sucesso e prosperidade em sua vida e carreira!! Terá sempre minha eterna admiração!! Elizabeth Einert

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, obrigado pelo carinho e pelo reconhecimento do trabalho realizado. Desejo muita saúde e felicidades para a família. Fica com Deus.

      Excluir
    2. Doutor meu nome e monica tenho luxacao congenita na bacia e morro de medo de nao poder ter filho eu posso ter filho normalmente como qualquer outra pessoa ou nao

      Excluir
  31. Olá boa tarde dr, meu filho foi diagnosticado com luxacao congenita no quadril, ele ja tem 4 anos e percebo uma notavel diferenca entre os membros , a cirurgia feita esse ano meu filho levara uma vida normal???? Meu email é rogerio.f.s.a@hotmail.com desde já agradeco a atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, para responder sua pergunta preciso examinar a criança em consulta ortopédica e analisar os exames de imagem. Tel. para agendar horário no consultório, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  32. Olá Doutor, tenho LCQ desde quando nasci, hoje tenho 22 anos, porém faço acompanhamento médico para cuidar do quadril desde criança,não fiz cirurgia no tempo adequado, agora não posso fazer cirurgia, somente se sentir encomodo ou dor, o que eu não sinto, minha luxação é no lado esquerdo, porem esse ano em minha consulta meu médico falou que mais tarde posso ter problemas no lado direito, é possivel isso? estou com medo que aconteça algo no lado direito? é verdade que não posso fazer caminhadas longas? pois acho que estou caminhando muito. Atenciosamente

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, para responder sua pergunta preciso examina-lo em consulta ortopédica com avaliação da mobilidade passiva dos quadris, presença de contraturas e avaliar seus exames de imagem. Portanto, sugiro que marque horário no consultório, tel. (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  33. Oi doutor minha filha tem LCQ e só descobri agora que ela esta andando ela tem 1 ano e 3 meses e gostaria de saber quanto e pra operarar obrigado desde já email suellencsf@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, orçamento cirúrgico só pode ser feito apos avaliação da criança com exame físico e avaliação dos exames de imagem, em consulta ortopédica. Tel. para marcar consulta, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
    2. Obrigado doutor vou ligar e marcar uma consulta

      Excluir
  34. Po Dr. se puder me ajudar tenho 37 anos e tenho luxação congenita bilateral dos quadris.
    Foi descoberto quando eu tinha 6 anos. Fiquei internado cerca de 2 anos no hospital Jesus no Rio e os médicos chegaram a conclusão na época que a cirurgia era inviavel devido a gravidade de minha luxação e o risco. Fiz muita fisioterapia o que me ajudou muito! Mas hoje com 37 anos sinto muito dor e os médicos especialistas aqui da cidade onde moro acham que a prótese no meu caso é inviavel pos o grau de minha luxação ja esta bem avançado e os dois femor bem desgastados principalmente o esquerdo. Até mesmo no INTO me informaram que a colocação da protese é um risco pois meu femor esta a 10 centimetros fora do lugar! Hoje faço pilates , fisioterapia e mecanoterapia para fortalecer minha lombar , quadril e pernas o que alias esta aliviando em muito minha dor. pois ate quando estava sentado sentia meu femor se mover o que causava muita dor! Os médicos acham que para mim o melhor tratamento é o fortalecimento. Visto que segundo alguns deles teoricamente eu não deveria nem estar andando!! O que o Dr. acha ? se quiser posso mandar meu raio x para o senhor ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, não faço consultas virtuais e não analiso imagens, videos ou fotos enviadas via e-mail ou blog. Minha forma de trabalho é única e exclusivamente através de consulta ortopédica com a presença do paciente para exame fisico e avaliação dos exames de imagem. Para ouvir minha opinião profissional, sugiro que agende consulta no consultório, tel. para marcar horário é (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  35. Oi Doutor! Boa noite! Nasci com luxação congenita no quadril esquerdo que só foi descoberta quando eu já estava com um ano e 9 meses...devido a demora no diagnóstico acabou prejudicando o quadril direito...operei os dois lados ainda com dois anos de idade...tenho uma vida normal e sinto dores em alguns momentos de atividade (esforço), mas nada insuportável...Gostaria de saber se posso engravidar? Se esse problema me impede ou dificulta gerar um filho. Desde já, muito obrigada. Carine

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia. Pode. Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica. Tel. para agendar horário, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir
  36. Oi Dr. Bom dia! Tenho um filho com paralisa cerebral, ele tinha uma sub luxação no quadril. Em janeiro desse ano (2014) ele passou por uma cirurgia chamada tenotomia. A três semanas atrás no rx do quadril o ortopedista disse que ele evoluiu pra uma luxação, então meu filho precisará de uma nova cirurgia. O hospital no qual ele faria essa cirurgia está sem material pra realizar a mesma. O médico me orientou a coloca-lo de pé com as talas longas na prancha. Mas é sempre bom ouvir outras opiniões a respeito. Eu gostaria de saber se ele pode continuar usando as talas p ficar de pé, e se existe algum método que eu possa fazer em casa para nao agravar, ja que nao temos nenhuma previsão de quando será feita essa cirurgia.

    Enorme bju. Espero sua resposta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia, não há nada para fazer em casa. Esses casos exigem obrigatoriamente cirurgia de grande porte para a correção. Talas não servem para nada, não pioram e nem melhoram nada. Maiores esclarecimentos somente em consulta ortopédica com exame físico do quadril da criança, avaliação de exames de imagem. Tel. para agendar consulta, (21) 3264-2232/ (21) 3264-2239. Atenciosamente.

      Excluir